Destaques

  • 4 de setembro de 2014

    Encontros Arcanos na UFRN e Barrac√£o dos Clowns de Shakespeare

    No ano de 2012, para o VII Congresso da ABRACE (Associação Brasileira de Pesquisa e Pós graduação em Artes Cênicas), foi realizada a mesa temática MITO E TEATRO abrangendo estudos capazes de evidenciar e problematizar as relações entre as noções de memória, mito, corpo, rito, história e realidade, numa perspectiva inclusiva que agregou não apenas as convergências, mas igualmente as divergências de pensamento e prática artística. A mesa reuniu os professores doutores Alexandre Nunes (UFG), Luciana Lyra (UNESP/UFRN)) e Verônica Fabrini (UNICAMP), três artistas com imersão nas áreas da encenação e atuação cênica, com trabalhos efetivos e significativos no meio acadêmico. Na mesa, interessou os trânsitos entre os princípios de algumas das escolas da epistemologia contemporânea, que se relacionam direta ou indiretamente com as temáticas citadas. Neste contexto, ênfase especial foi dada às pesquisas de autores de áreas de conhecimento diversas, como Gaston Bachelard, Gilbert Duran, Victor Turner, Mircea Eliade, Joseph Campbell, James Hillman, Carl Jung, a partir de referenciais teórico-práticos focados e relacionados ao campo de pesquisa das artes da cena.

    Impulsionados pelo êxito da ação no congresso de 2012, foi criado, no primeiro semestre de 2013, o grupo de pesquisa interinstitucional ÍMAN (Imagem, mito e imaginário), com intenção de reunir pesquisadores que tem em suas investigações as noções de mito e imagem no contexto das artes da cena, como é o caso do Prof. Dr. Robson Haderchpek (UFRN). Além do ÍMAN, os professores tomaram como meta realizar um evento anual, onde haja o compartilhamento de experiências em torno das temáticas: memória, mito, corpo, rito, história e realidade das temáticas citadas. Assim surgiu os ENCONTROS ARCANOS. Os Encontros Arcanos é, fundamentalmente, um evento na área das Artes Cênicas, que visa reunir pesquisas capazes de evidenciar e problematizar as relações entre as noções de memória, mito, corpo, rito, história e realidade, numa perspectiva inclusiva que agrega não apenas as convergências, mas igualmente as divergências de pensamento e prática artística. O evento toma como inspiração primeira o Círculo de Eranos, encontro de pensadores dedicados aos estudos das "psicologias profundas", aos estudos em religiões comparadas, história, crítica literária, folclore e epistemologia das ciências naturais, como física, química e biologia que ocorreu regularmente na Suíça, a partir de 1933, durante setenta anos.  

    O termo Arcano, de origem latina, significa misterioso, enigmático. Na Alquimia, o arcano é uma poção misteriosa acessível somente aos seguidores desta prática esotérica. O termo Arcano refere-se, concomitantemente, a cada uma das cartas do baralho tarô, composto por 78 cartas, divididas entre arcanos maiores e menores, intituladas e numeradas. A carta número 0, conforme os baralhos, é nomeada como O Louco. Esta carta representa um jovem leve e solto, que caminha a tocar flauta e à sua frente está um precipício. No tarô mitológico, a carta do louco é associada ao mito do deus Dioniso, que por si, carrega o significado do nosso impulso, muitas vezes irracional, de mergulhar no desconhecido, de mudar. Essa carta significa a trajetória que está prestes a começar.

<< Voltar